quinta-feira, 20 de setembro de 2007

UMA NARRATIVA DAS EXPERIÊNCIAS MISSIONÁRIAS EM UBÁ

O metodismo é inaugurado em Ubá no início de 1891, tendo John Willian Tarboux como um dos primeiros pregadores e, conseqüentemente, o fundador do trabalho. Coube, em seguida, a nomeação de Justiniano R. de Carvalho para o novo campo de trabalho. Como comentou James L. Kennedy, “o diabo estava pintando o sete” por aquelas “cercanias da culta cidade de Ubá”. Com base em James L. Kennedy, a Conferência Anual registrou em seu relatório uma experiência chocante, ocorrida em dezembro 1893, nessa cidade. As vítimas eram os pregadores Antônio J. de Araújo e J. L. Becker, que ao voltarem de uma Escola Dominical na propriedade do sr. Belmiro Siqueira, foram surpreendidos por um grupo de agressores, que os surraram com paus e chicotes, sendo arrastados pela vias públicas da cidade.

Segundo James L. Kennedy, "o rev. Araújo cahiu immediatamente por terra, por ter recebido dos agressores muitas pancadas na cabeça. Deixando-o por morto [ou semi-morto], foram esses aggressores ajudar outros a esbordoar o sr. Becker. Este com grande dificuldade conseguiu escapar, depois de ter recebido duas facadas, ficando com o corpo em estado lastimável" [sic]. Na opinião de James L. Kennedy, Antônio J. de Araújo e J. L. Becker foram nessa circunstância protegidos por Deus e poupados para longos anos de serviço honrado e abençoado, sendo o rev. Becker reconhecido como um dos obreiros de vanguarda do ministério brasileiro daqueles tempos.

É preponderante notar ainda naqueles tempos que na localidade em que os obreiros experimentavam mais dificuldades e, muitas vezes, maior perseguição, para ali concorria o apoio e emprego de novos esforços. Portanto, passado apenas um mês do ocorrido com os irmãos Antônio J. Araújo e J. L. Becker, a Conferência de Minas se reuniu na cidade de Ubá, aos 11 de janeiro de 1894, para celebrar ao Senhor, assim como discutir os rumos da missão.

Conforme James L. Kennedy, compareceram a Conferência Distrital de Minas: E. A. Tilly, J. W. Tarboux, J. E. Tavares, F. R. de Carvalho, A. C. da Fonseca, A. J. de Araújo Filho e J. L. Becker e o pregador local, A. Ribeiro da Silva. Assistiram ainda a Conferência os seguintes representantes leigos: os senhores Genuíno Antonio de Oliveira, José Leonel Lopes, Belmiro Teixeira de Siqueira Junior, Horacio Herculano Valério, Rodolpho Schomacker e Augusto Hoehne Filho. Nessa mesma Conferência, avaliou-se: “Em Ubá, não obstante as perseguições tenazes que sofriam os irmãos, estava a causa progredindo”. Registrou-se também uma momentânea dificuldade com o trabalho em Ouro Preto nessa Conferência, sendo nomeado o irmão J. L. Lopes para o campo missionário.

A missão metodista e a evangelização protestante foram, de um modo geral, marcadas pela forma simples e rudimentar de evangelizar dos missionários, porém eficaz e contundente. É comprovado historicamente que tanto na primeira tentativa de implantação de uma missão metodista no Brasil quanto na sua inserção definitiva, os metodistas foram duramente criticado, especialmente pelo clero católico, sendo o seu representante mais conhecido o Padre Luiz Gonçalves dos Santos, cognominado Padre Perereca. Não é por acaso que os metodistas representaram umas das expressões mais vigorosas do protestantismo no século XIX. Não é por acaso também que tenham sido vítimas de tantas perseguições e hostilidades, no Brasil e, como se vê, no Estado de Minas Gerais.

BIBLIOGRAFIA:

BARBOSA, José Carlos. Salvar e educar: o metodismo no Brasil do século XIX. Piracicaba: Cepeme, 2005.
KENNEDY, James L. Cincoenta annos de Methodismo no Brasil. São Paulo: Imprensa Metodista, 1928.
REILY, D. A. História documental do protestantismo no Brasil. São Paulo: Aste, 2003.

Um comentário:

Gercymar Wellington L. e Silva disse...

Eu recebi um comentário por e-mail do Rev. Sérgio Marcus Pinto Lopes. o qual segue...

Oi, Gercymar

Este Rev. Antonio Joaquim de Araújo era irmão de minha avó, Jovita de Araújo, que casada com o Rev. José Leonel Lopes, tornou-se Araújo Lopes. Era mãe de meu pai...

Não sabia que ele fora deixado neste estado lastimável perto de Ubá!

Sérgio Marcus